Pesquisas

Coronavírus

Grandes empresas ficam com 57% dos empréstimos; pequenas, com 8%

Médias empresas ficam com 12% do crédito bancário pós-pandemia, segundo Febraban

 

 

 
 

As grandes empresas ficaram com 57% das operações de crédito realizadas pelos bancos brasileiros após o início da pandemia do novo coronavírus. Já as micro e pequenas empresas (MPE) só captaram 8%. De 16 de março a 8 de maio, os grandes negócios conseguiram quase R$ 217 bilhões em empréstimos, sete vezes mais que os R$ 31,3 bilhões dos micros e pequenos negócios.

 

Os dados são da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e apontam ainda que, no período, R$ 43,3 bilhões foram disponibilizados para as médias empresas (12%) e R$ 86,4 bilhões (23%) para pessoas físicas. O total de operações de crédito nesse intervalo chegou a R$ 378 bilhões.

 

O levantamento é um espelho de que, apesar do anúncio do governo federal em disponibilizar recursos para as MPE afetadas pela crise do novo coronavírus, o crédito é mais direcionado para os grandes grupos. No Piauí, uma pesquisa do Sebrae revelou que 51% das micro e pequenas empresas que recorreram ao crédito tiveram o pedido negado, enquanto outras 38% ainda aguardavam resposta.

 

Para tentar fazer o dinheiro chegar as MPEs, o governo começou na semana passada a executar o Pronampe. Economistas ouvidos pelo Piauí Negócios acreditam que o programa terá mais êxito do que os anteriores que foram lançados até agora. Manter as MPEs ativas é fundamental para a economia, já que elas respondem por 55% dos empregos formais no Brasil e 61% no Piauí.

 


Leia mais

Economistas da Ufpi falam como Pronampe pode ajudar as empresas

Piauí Fomento, BB, CEF e BNB: conheça as linhas de crédito para empresas

Apenas 13% do fundo destinado a pequenas empresas foi liberado


 

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

FACEBOOK

👉🏾 https://www.facebook.com/pinegocios

INSTAGRAM

👉🏾 https://www.instagram.com/pinegocios

 TWITTER  

👉🏾 https://twitter.com/@negociospiaui

LINDEKDIN

👉🏾 https://www.linkedin.com/company/piauí-negócios/

Fonte: Febraban

Mais de Pesquisas