Comércio & Serviços

Folgas extras

Em shoppings centers, alguns feriados atraem mais consumidores

Datas festivas no meio da semana mantêm o comércio aquecido e motiva público para o lazer

 
A praça de alimentação dos shoppings fica mais movimentada nos feriados (Foto: Divulgação)

 A praça de alimentação dos shoppings fica mais movimentada nos feriados (Foto: Divulgação)

 
 

 

Enquanto o comércio em geral condena os feriados, os lojistas de shoppings centers até comemoram alguns, principalmente quando caem na terça ou quarta-feira.E dependendo da época do mês, mesmo os de quinta ou sexta-feira não prejudicam as vendas. Em alguns casos, são até maiores do que em dias úteis, mesmo abrindo apenas a metade do tempo.

 

Com um funcionamento estendido de 12 horas por dia de segunda a sábado e seis horas nos os domingos e feriados do ano, os shoppings centers do Piauí têm um público específico. Serviços de entretenimento e de alimentação, que fazem parte da cultura desses locais, ajudam a atrair público, independente do dia da semana, seja dia útil, fim de semana ou feriado.

 

Outro diferencial dos shoppings é que um feriado na quarta-feira, diferente das lojas de rua, atrai aqueles consumidores que estariam trabalhando normalmente, mas que aproveitam para ir às compras, ao mesmo tempo em que usam o lazer e a gastronomia. “Nos feriados no meio da semana, nas seis horas em que as lojas do shopping ficam abertas, o movimento é maior do que uma quarta-feira normal”, informa Carolina Berger, gerente de marketing do Shopping Rio Poty, localizado na zona Norte de Teresina

 

Com mais de 200 lojas, entre varejo, alimentação, lazer e serviços, o Shopping Rio Poty nunca fecha totalmente, pois os setores de alimentação e lazer sempre estão abertos. Dependendo do feriado, esses setores faturam mais do que quando o comércio varejista está funcionando.

 

Shopping Rio Poty: eventos, lazer e alimentação atraem público o tempo todo  aos shoppings, que sentem um maior  movimento em muitos feriados (Foto: Divulgação)

 

Os feriados só impactam negativamente o shopping quando as lojas realmente são proibidas de abrir, como Carnaval, Sexta-feira da paixão, Natal, 1º de janeiro, Dia do Trabalho e Dia dos Comerciários. Para abrir aos domingos e feriados, é necessário fazer acordo com o sindicato dos comerciários, e com o pagamento de horas extras para os funcionários.

 

“Um dia com loja fechada é um grande volume de vendas perdido. Para o lojista, mesmo com movimento fraco, qualquer oportunidade de vender é válida, pois os custos operacionais já estão pagos, como salário do funcionário, aluguel,  mercadoria , taxa de condomínio”, frisa Caroline.

 

Caroline Berger, do Shopping Rio Poty, diz que lojista não quer perder oportunidade de venda (Foto: Piauí Negócios)

 

O Shopping Riverside, na zona Leste, também com cerca de 200 lojas, mantém sempre a praça de alimentação aberta, porém, a mesma é diretamente impactada pelo funcionamento das lojas e, por isso, sofre com alguns feriados.

 

Mas o síndico do centro de compras, Márcio Leal, acrescenta um agravante que geralmente anda lado a lado com os feriados: os pontos facultativos.“Além do feriado ser ruim para os comerciantes, o ponto facultativo causa um estrago grande, com quedas de 30% sobre um dia normal”, reclama Márcio.

 

Os pontos facultativos, concedidos pelos governo federal, estadual ou municipais, ocorrem geralmente após (quinta-feira) ou antes (terça-feira) de um feriado. “Isso mata o comércio, pois, além da quinta, o movimento cai na sexta, no sábado e domingo, pois as pessoas viajam. É um absurdo o governo dar ponto facultativo”, lamenta.

 

O shopping Riverside sente uma queda maior na semana em que há  pontos facultativos (Foto: Piauí Negócios)

 

As perdas são maiores porque é a partir de quinta-feira que as vendas no comércio, em geral, aumentam. Dos sete dias da semana em que as lojas são abertas, quinta, sexta e sábado respondem, geralmente, por 60% das vendas. Por isso um feriado prolongado a partir de quinta-feira é alvo de tantas reclamações dos lojistas.

 

Márcio Leal acrescenta que o prejuízo não é somente para os empresários, mas para os funcionários, que deixam de ganhar a comissão da venda perdida, e para o governo, que arrecada menos impostos. “Por fim, perde a sociedade, pois menos impostos significam menos investimentos em serviços públicos”, frisa o síndico.

 

 

Leia mais sobre o impacto dos feriados na economia do Piauí clicando nos links abaixo:

 

Comércio de rua do Piauí começa a abrir aos domingos e feriados

Indústria piauiense: prejuízo passa dos R$ 100 milhões

MP da Liberdade Econômica facilita abertura de lojas aos domingos e feriados

Em shoppings centers, alguns feriados atraem mais consumidores

Bares, restaurantes e grandes shows faturam até cinco vezes mais nas folgas extras

Hotéis do litoral chegam a lotar em feriados prolongados

Para economista, perdas em alguns setores são compensadas por outros

Em 2020, feriados prolongados vão dobrar e chegarão a 11 datas

 

Mais de Comércio & Serviços