Indústria

Energia

BNDES aprova R$ 643 milhões para Equatorial Piauí melhorar serviços

Concessionária reduziu as perdas de energia em dois anos, mas ainda não atingiu as metas da Aneel

 
Empresa vai receber mais de meio bilhão de reais do BNDES (Foto: divulgação)

 Empresa vai receber mais de meio bilhão de reais do BNDES (Foto: divulgação)

 
 

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai financiar R$ 643 milhões para Equatorial Piauí melhorar o serviço para os consumidores. O recurso foi aprovado no dia 27 de abril e será liberado por etapas até dezembro de 2023. O objetivo é aumentar a qualidade do fornecimento de energia, ampliar o número de consumidores e reduzir as perdas comerciais. 

 

A Equatorial assumiu o sistema de energia do Piauí em outubro de 2018, após adquirir a estatal Eletrobras/Cepisa. Desde então, a empresa tem investido no estado para reverter o mau desempenho da antiga concessionária. Em alguns indicadores, como a quantidade de horas que deixou o consumidor sem energia, houve piora após a chegada da empresa privada.

 

Em outros, como a redução das perdas de energia, houve avanços, porém aquém da meta determinada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). As perdas caíram de 30,1% em 2017 para 21,92% em 2019, mas ainda fora da meta para aquele ano, que era de 13,93%. A expectativa é que o plano de investimentos a ser realizado nos próximos anos ajude a empresa a alcançar a meta.

 

As empresas de energia do Piauí têm conseguido, ao longo dos anos, reduzir as perdas comerciais, mas ainda não alcançaram o estabelecido pela Annel. Quanto menor as perdas, melhor (Reprodução/Aneel)

 

O financiamento do BNDES viabilizará o atendimento da Equatorial a 211 mil novos domicílios, em três frentes: aumento do número de usuários (piauienses da zona rural que ainda não têm energia), regularização das ligações clandestinas (as famosas gambiarras) e as novas ligações (crescimento natural de novas ligações). Atualmente, a Equatorial atende a 1,27 milhão de unidades consumidoras no Piauí.

 

O investimento também será usado na ampliação de subestações e linhas de transmissão e distribuição de energia, e deve ser expandidos ou substituídos aproximadamente 1.400 km de redes de energia em baixa tensão.

 

A Equatorial Piauí atua em uma área de 251,6 mil km2 e presta serviço a 3,2 milhões de habitantes em 244 municípios, com um consumo total de 3.408 GWh. Cerca de 22,6% dos clientes da empresa são de natureza comercial, e 5,9%, industrial, setores fortemente impactado pela crise decorrente da pandemia do novo coronavírus.

 

Além do Piauí, o BNDES também vai financiar R$ 491,4 milhões para a Equatorial Alagoas, onde serão beneficiados 151 mil consumidores, com instalação de 2.250 km de linha de transmissão em Alagoas.

 

Com sede em São Luís (MA), o grupo Equatorial atua nos segmentos de distribuição, transmissão, geração e comercialização de energia, além de telecomunicações. No segmento de distribuição, além de Piauí e Alagoas, a holding atua no Maranhão e no Pará.

 

Leia também

Sob gestão da Equatorial, Piauí fica mais tempo sem energia

Projeto permite que consumidor substitua Equatorial por empresa de energia concorrente

CIEPI orienta indústrias do Piauí a migrarem para o mercado livre de energia
 

 

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

FACEBOOK

👉🏾 https://www.facebook.com/pinegocios

INSTAGRAM

👉🏾 https://www.instagram.com/pinegocios

 TWITTER  

👉🏾 https://twitter.com/@negociospiaui

LINDEKDIN

👉🏾 https://www.linkedin.com/company/piauí-negócios/

Fonte: BNDES

Mais de Indústria