Comércio & Serviços

Feriados

Comércio de rua no Piauí começa a abrir aos domingos e feriados para amenizar perdas

Pela primeira vez, os lojistas estão autorizados a funcionar em vários feriados

 
As lojas do Centro de Teresina abriram pela primeira vez este ano em alguns feriados  (Foto: Piauí Negócios)

 As lojas do Centro de Teresina abriram pela primeira vez este ano em alguns feriados (Foto: Piauí Negócios)

 
 

Mais prejudicadas por geralmente não abrir em feriados e ser bastante dependentes do movimento de pessoas que usam serviços públicos nas proximidades do Centro das cidades, as lojas de ruas buscam alternativas. Este ano, a convenção coletiva decidiu, pela primeira vez, após acordo com os comerciários, autorizar o funcionamento em feriados que antes só as lojas dos shoppings abriam: Aniversário de Teresina, Nossa Senhora Aparecida, Dia do Piauí e Proclamação da República. Nos bairros de Teresina onde o comércio é forte, e no interior do Estado, como Parnaíba, Picos e Floriano, o comércio também está autorizado a funcionar nestas datas.

 

Em Parnaíba e Picos, as duas maiores cidades do interior, este ano as lojas começaram a funcionar também aos domingos, aproveitando o movimento de turistas (caso de Parnaíba) e de viajantes que trafegam por Picos em direção a outro estado. Até agora, os comerciantes têm ficado satisfeitos com os resultados, segundo o  Sindicato dos Lojistas do Comércio do Estado Piauí (Sindilojas-PI).

 

O presidente do Sindilojas-PI, Tertulino Passos, explica que a abertura das lojas de ruas nessas datas é uma tentativa dos comerciantes de reduzir os prejuízos. Um levantamento realizado pelo sindicato comprovou que as vendas em pontos facultativos caem 15% e o movimento de pessoas dentro das lojas, 30%. No Piauí, por exemplo, existem, segundo a Fecomércio-PI, 98 mil lojas de varejo, que são impactadas nessas datas. Metade dessas lojas está em Teresina.

 

Tertulino Passos, do Sindilojas, diz que pontos facultativos provocam queda de 15% nas vendas (Foto: Piauí Negócios)

 

Tertulino também condena o ponto facultativo, principalmente no Centro da cidade, em que se concentram muitas repartições públicas. “Além de retirar o servidor que poderia comprar ou olhar algum o produto, o ponto facultativo evita a ida das pessoas que iriam ao Centro para resolver alguma pendência em órgão público. É uma perda dobrada”, reclama o representante lojista.

 

Saiba mais sobre os impactos dos feriados na economia do Piauí clicando nas matérias abaixo:

 

Comércio de rua do Piauí começa a abrir aos domingos e feriados

Indústria piauiense: prejuízo passa dos R$ 100 milhões

MP da Liberdade Econômica facilita abertura de lojas aos domingos e feriados

Em shoppings centers, alguns feriados atraem mais consumidores

Feriados e pontos facultativos: bons ou ruins para a economia do Piauí?

Bares, restaurantes e grandes shows faturam até cinco vezes mais nas folgas extras

Hotéis do litoral chegam a lotar nos feriados prolongados

Para economista, perdas em alguns setores são compensadas por outros

Em 2020, feriados prolongados vão dobrar e chegarão a 11 datas

Mais de Comércio & Serviços