Indústria

Infraestrutura

Operação de complexos eólicos no Piauí impulsiona receitas da Auren Energia

Parque ajudaram empresa do Grupo Votorantim a gerar 13,9% mais energia no terceiro trimestre de 2023

 
 
Parque híbrido Sol do Piauí, vizinho ao Complexo Ventos do Piauí I (Foto: divulgação)

 Parque híbrido Sol do Piauí, vizinho ao Complexo Ventos do Piauí I (Foto: divulgação)

 
 

A geração eólica consolidada da Auren Energia avançou 13,9% no terceiro trimestre de 2023, com a entrada em operação dos complexos eólicos Ventos do Piauí II e III, localizados no sertão piauiense. As usinas ajudaram a impulsionar as receitas da empresa, uma das maiores plataformas de geração renovável e de comercialização de energia do Brasil.

A receita líquida da Auren, que pertence ao grupo Votorantim, alcançou R$ 1,6 bilhão no trimestre, um aumento de 5,7% em relação ao terceiro trimestre de 2022.

Além dos complexos Ventos do Piauí II e III, a empresa iniciou no final de novembro a operação, em fase de testes, o parque híbrido Sol do Piauí, uma usina de une as energias solar e eólica. Vizinho ao complexo Ventos do Piauí I, outra unidade da Auren localizada em Curral Novo do Piauí, o parque Sol do Piauí funcionará no modelo associado, onde a subestação de transmissão do Complexo Ventos do Piauí I será compartilhada com a nova usina solar.

O parque Sol do Piauí foi o primeiro protocolado no Brasil no formato híbrido (solar e eólico)

 

Neste sistema, as fontes solar e eólica geram a energia separadamente e compartilham a mesma subestação que conecta as plantas ao Sistema Interligado Nacional, prevendo menores investimentos com o uso de uma única rede de transmissão. A energia do projeto solar irá complementar a produção eólica, cuja geração é mais intensa no período noturno devido a característica dos ventos na região.

No parque Sol do Piauí, além de oferecer maior eficiência para operação, a complementaridade das fontes agrega segurança para o sistema nos períodos sazonais. Entre junho e setembro, a safra dos ventos promove a alta da captação da energia eólica, sobretudo no período noturno. Nos meses seguintes, de novembro e abril, a geração solar é responsável por suportar o sistema no período diurno, quando ocorrem os picos de irradiação. Os módulos fotovoltaicos possuem controladores que calculam a posição do sol e posicionam os painéis de acordo como melhor ângulo de incidência dos raios solares para obter maior eficiência na geração da energia.


Leia também

Piauí terá primeira usina de energia híbrida do Brasil

Teresina é a 4ª capital do Brasil com mais energia solar nas residências

Parque eólico do Piauí adota crachá digital que funciona sem internet


Aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em 2021, o projeto piloto ocupa uma área de 107 mil hectares vizinha e terá capacidade inicial para gerar 48,1 MWac (59 MWp). O investimento foi de R$ 255 milhões.

Ao todo a Auren Energia possui no Piauí o Complexo Ventos do Piauí I (composto por 7 parques eólicos com potência instalada de 205,9 MW) e os Complexos eólicos Ventos do Piauí II e III, com capacidade total instalada de 409,2 MW. Estes dois últimos estão localizados numa área que alcança os municípios piauienses de Curral Novo do Piauí, Paulistana e Betânia do Piauí e os pernambucanos Araripina e Ouricuri.

Siga o Piauí Negócios nas redes sociais

Mais de Indústria